Iluminação: Tabela de Iluminância por Tarefas   Leave a comment


(clique na imagem para ampliar)

Normalmente, a temperatura de cor de uma lâmpada é escolhida primeiramente para igualar à atmosfera desejada de um ambiente; então a lâmpada com o maior índice de reprodução de cor na faixa de temperatura de cor correlata é selecionada. A temperatura de cor de uma lâmpada é expressa em Kelvin. A temperatura de cor de lâmpada entre 2.500K e 3.500K indica cor quente e aconchegante. Em geral, lâmpadas com temperaturas de cor acima de 3.500 K criarão um ambiente funcional. Em algumas áreas comerciais como sala de recepção, escritórios, shoppings e lojas são recomendadas lâmpadas com temperatura abaixo de 3.500 K para criar uma sensação maior de conforto. A escolha do tipo de lâmpada adequada é primordial para proporcionar um ambiente ideal à realização de tarefas e influenciar positivamente no ânimo dos usuários das edificações.

Uma superfície pode absorver ou refletir mais ou menos a radiação incidente, dependendo de sua cor e textura. Uma superfície branca, por exemplo, reflete aproximadamente 85% da luz incidente; uma cor clara, 50%; uma cor média 30% a 50%; e uma cor escura, menos de 10%. Essa quantidade pode variar se a superfície for lisa e polida ou áspera e fosca. Assim, é relevante o estudo das refletâncias das cores em diversos tipos de superfícies para que se conheça e se determine o padrão de iluminação dos ambientes.
As tarefas visuais, apesar de serem em número ilimitado, podem ser classificadas de acordo com certas características comuns conforme a NBR 5413 (NB 57) – Iluminância de Interiores, que estabelece os valores de iluminâncias médias em serviço para iluminação artificial em interiores onde se realizam atividades específicas. Esta norma permite flexibilidade na determinação dos níveis de iluminação, sendo que três variáveis são consideradas:
1) A idade do observador: pessoas mais “idosas” necessitam de mais luz para desenvolver a mesma atividade que pessoas jovens.
2) Velocidade e acuidade do desempenho visual: necessidades críticas exigem mais luz que as casuais, ou seja, quanto maior o grau de precisão requerido para executar a tarefa, maiores serão os níveis de iluminação exigidos.
3) Refletância da tarefa em relação ao fundo: grande diferença de refletâncias entre a tarefa e o seu entorno próximo podem reduzir o contraste e a performance visual e/ou causar desconforto visual.
Para a escolha da lâmpada também deve ser considerado IRC, eficiência, vida útil, custo inicial e final facilidade e flexibilidade de uso e manutenção.
A luminosidade das lâmpadas também depende do rendimento da luminária.
Fonte: Empalux

Posted Setembro 11, 2011 by Fábio R. de Matos in Uncategorized

Iluminação: as dez regras de ouro   Leave a comment

Fonte: Acerbi Luz e Design

1. O projeto de iluminação de uma residência deve levar em conta não apenas a estética, mas a função de cada ambiente e a relação que o morador terá com ele. O posicionamento das luminárias deve ser pensado de acordo com a decoração, sempre levando em conta o aspecto funcional do cômodo. É importante descobrir o tipo ideal de lâmpada para o efeito de iluminação desejado e o posicionamento ideal que ela deve ter. As características do produto devem atender às necessidades do ambiente, não o contrário.
2. Na cozinha, é preciso enxergar com precisão os alimentos. Por isso, o ideal para esse cômodo é utilizar lâmpadas com grande Índice de Reprodução da Cor (IRC). As lâmpadas incandescentes (como as halógenas e as dicróicas) são as que possuem maior IRC.
3. Na Sala de Estar, o ambiente precisa ser agradável e aconchegante. Para ter esse efeito o ideal é utilizar lâmpadas com aparência de cor amarelada. A iluminação focada, obtida com lâmpadas refletoras (como as dicróicas), é mais sofisticada, mas deve ser usada como cautela já que pode causar uma sensação de ofuscamento, dependendo da posição em que seja colocada. Elas também devem ser bem distribuídas porque não distribuem a luz pelo ambiente. A melhor opção é utilizar uma iluminação mais difusa, com luminárias suspensas.
4. No quarto, a luz uniforme e indireta é a que dá melhor resultado. Ela pode ser obtida com luminárias com filtros de acrílico ou vidro foscos. A iluminação precisa se ajustar às atividades que podem ser desenvolvidas no quarto – ler, ver televisão, namorar, trocar de roupa. Um recurso que costuma ser bastante útil é a dimerização, ou seja, um controle para a intensidade da lâmpada.
5. No escritório a iluminação deve ser focada em alguns pontos – nos livros e estantes e na mesa de trabalho. Mas também é preciso trabalhar para evitar o ofuscamento. Lâmpadas refletoras, por exemplo, podem incidir sobre a tela do computador e deixar o ambiente mais cansativo.
6. Se você gosta de brincar com diferentes cenas de iluminação, a sala de jantar é o melhor lugar. Dependendo do clima desejado – um almoço em família, um jantar a dois, uma recepção para os amigos – a iluminação pode ser modificada. Algumas opções de cena são: dois focos de luz em cima da mesa vindo do teto, que criam uma atmosfera mais intimista e deixam o resto da casa na penumbra; luz difusa sobre a mesa, que deixa o ambiente iluminado como um todo; arandelas para criar uma iluminação indireta e mais aconchegante, ideal para um almoço de família; ou um lustre pendente central, que poderia ter dimerização para controlar a intensidade da luz de acordo com a necessidade.
7. O banheiro é o cômodo onde mais se cometem erros de iluminação. A regra básica é: iluminação uniforme e intensa, principalmente na bancada da pia. As lâmpadas refletoras devem ser evitadas a todo o custo porque criam sombras no rosto e prejudicam as mulheres na hora de se maquiar e homens quando fazem a barba. Para o banheiro são indicadas luminárias com acrílico leitoso, vidro leitoso ou lâmpadas difusoras, como a fluorescente. A luz de camarim, que alguns usam no banheiro, também é bastante prejudicial para a aparência, já que cria sombras, e as lâmpadas são muito quentes, fazendo o usuário do espelho transpirar com facilidade. (essa iluminação só é usada no camarim para o artista simular a visão que a platéia terá dele: com luzes em foco).
8. É importante pensar na quantidade de luz realmente necessária em cada cômodo. Muito projetos exageram na quantidade de lâmpadas que, muitas vezes, focam em espaços que não precisariam de tanta luz e deixam escuros locais que deveriam ser mais iluminados. No jardim, por exemplo, é comum vermos lâmpadas de 300 watts sendo utilizadas em vários pontos de luz. Elas são desnecessárias. Lâmpadas com 70 watts de potência dariam um efeito bem semelhante com uma imensa economia de energia.
9. A cor das paredes do cômodo deve ser levada em conta para escolher a melhor forma de iluminá-lo. No caso de paredes mais escuras, que absorvem mais luz, o ambiente precisa de lâmpadas com maior intensidade. A aparência da cor da lâmpada também deve ser levada em consideração: se for amarela e incidir sobre uma parede azul, pode deixá-la verde e o usuário perde o efeito de cor que queria quando escolheu a tinta. Se o morador optar por tintas de cores mais claras, pode brincar com filtros coloridos sobre as lâmpadas e produzir efeitos de cor com maior versatilidade.
10. Toda lâmpada emite calor, umas mais outras menos. É importante, na hora da escolha da lâmpada, levar em conta sua emissão de calor. Lâmpadas incandescentes são as que mais emitem calor – colocá-las logo acima de uma poltrona para assistir televisão ou na praia farão qualquer um transpirar. É bom lembrar que, quando mais eficiente a lâmpada, menos calor ela emite – e mais o usuário economiza na conta de luz.

Posted Setembro 11, 2011 by Fábio R. de Matos in Uncategorized

Como iluminar escadas?   Leave a comment

Em um projeto luminotécnico um dos locais mais delicado de se iluminar é: a escada.

Há vários fatores que precisamos levar em conta:
1 – Qual modelo da escada? helicoidal, espinha de peixe, em caracol, em L, em U e etc.
2 – Qual o revestimento e a estrutura utilizado?
3 – É projeto novo ou reforma?
4 – É ambiente comercial ou residencial?

Bem, levando em conta todos esses itens mãos a obra, pois cada situação tem soluções diferentes de se resolver. Vale algumas dicas para prestarmos atenção, porque a iluminação da escada tem a função de guiar um caminho, jamais ofuscar  usuário. Exemplo: em alguns casos como escadas soltas de paredes é um pouquinho complicado de resolver, pois, se a única solução for colocar um embutido no teto jogando luz para a escada, ficara iluminada, mas, como vai ser a manutenção dessa lâmpada? Quando se tem habito de chamar eletricista para trocar as lâmpadas é mais fácil, pois eles tem habilidade com a escada de manutenção e o equipamento da luminária, mas se você for do tipo que gosta de resolver os probleminhas de casa, confesso que é uma situação mais delicada. Outra solução para essa mesma escada é colocar balizadores no espelho ou no degrau, porém, se a escada já estiver construída, é extremamente complicado executar. Há alguns casos de escadas em U ou mesmo reta, em que a parede tem algum revestimento bonito e vale a pena ser destacado. Então neste caso podemos usar até os dois efeitos, colocarmos pontos de luz no teto para lavar de luz o revestimento da parede, mas também usarmos os balizadores nos degraus. Separei algumas imagens para ilustrar essas dicas:

Fonte das imagens acima: foto da esquerda site tudo é dimais foto da direita site cores da casa.
Nesses dois modelos de escada podemos observar que os balizadores são embutidos na parede e cada um fornece um desenhos de luz diferente. É sempre muito importante nesses casos onde a luminária é embutida na parede, de observar a altura do rodapé, ou você coloca os balizadores no centro no rodapé ou acima do mesmo.

Fonte da imagem acima: site casos de casa.
Neste caso é praticamente impossível de se colocar balizador no próprio degrau, então instalar na parede é a melhor solução. Caso você tenha criança em casa, muito cuidado na escolha da luminária. Pois hoje temos algumas opções com lâmpadas halógenas, que são lâmpadas quentes, e se a criança colocar a mãozinha na luminária pode vir a machucar, mas os balizadores com lâmpadas halógenas são mais em conta, você pode encontrá-los até na faixa de 100 reais, oscilando para mais ou para menos. Outra opção é as luminárias com LED, com a vantagem na economia de energia e não produz menor calor. O valor da peça pode oscilar na casa de 400 reais dependendo do modelo.

Fonte da imagem acima: site casos de casa.
Essa escada foi bem solucionada com balizadores na base do guarda-corpo.

Fonte das imagens acima: foto da esquerda site Oglobo,  foto da direita site casos de casa.
Na imagem da esquerda ficou bem interessante e diferente a proposta da iluminação da escada, ela esta solta da parede e criou-se um nicho para colocar lâmpada fluorescente tubular ou fita de LED. Dessa forma a luz fica mais homogênea e continua. Na imagem da direita é mais um caso onde dificulta a instalação da luminária no próprio degrau, então a solução é instalar na parede.

Fonte da imagem acima: site casa.com.br, Projeto das arquitetas Fabiana Avanzi e Tininha Loureiro.
Diria que iluminar essa escada não é tarefa fácil. Pois é uma escada em balanço e a parede é toda com revestimento irregular, ou seja, é um desafio. Neste a caso a arquiteta preferiu usar um balizador externo fazendo facho de luz para cima e para baixo. A única questão que eu diria neste caso é para se tomar cuidado com balizadores externos, pois eles colocados de forma inadequada pode prejudicar a circulação do espaço. Esse é um caso também que podemos utilizar a iluminação vindo do teto e lavando a parede de luz, para valorizar o revestimento.

Fonte da imagem acima: site casa.com.br, projeto do arquiteto Vicente Giffoni.
Este é um caso onde a escada é em balaço, mas ela é oca pode dentro, então houve a possibilidade de passar a fiação pela parte interna de cada degrau. Mas para isso lembre-se, é preciso de um projeto bem definido antes da execução do mesmo.

Fonte da imagem acima: site casa.com.br, projeto do escritório Núcleo de Projeto.

Fonte da imagem: site casa.com.br, projeto do escritório Marchetti + Bonetti Arquitetos Associado.
Nas escada com revestimento de madeira o mais indicado é os balizadores com LED em função da ausência de emissão de calor.

Fonte da imagem acima: site casa.com.br, projeto do artista plástico Ruy de Mello.
Como você resolveria a iluminação dessa escada? Difícil né? Bom, nesses casos há algumas soluções para se usar, algumas delas é: usar a iluminação no jardim de inverno, usar arandelas nas paredes próximas ou até mesmo vindo do teto. Lembrando da dica que falei já no início, porque trocar lâmpada em cima de escada é sinônimo de montar uma escada em cima de outra escada, então é sempre bom chamar um técnico da área para poder trocar a lâmpada. Outro cuidado importante quando se adota colocar o ponto de luz no teto é, procurar especificar lâmpadas de longa duração e que não ofusquem.

Fonte da imagem acima: site casa.com.br, projeto do arquiteto René Fernandes Filho com Adriana Ross.
Neste caso a solução adotada foi balizadores com LED instalados no espelho da escada.

Vale no final deste post três dicas bem importantes: Sempre, mas sempre antes de executar qualquer elemento, projete e analise bem as possibilidades executaveis e com fácil manutenção. Outra dica é os circuitos dos interruptores, nunca esqueca de colocacos com 3W, assim você pode ascende-los ao subir e apagar quando chegar no próximo pavimento. Vale também projetar sensores de presença, assim, principalmente no uso noturno a circulação é mais segura e você não terá a preocupação de desligá-lo na chave do interruptor.

Posted Setembro 6, 2011 by Fábio R. de Matos in Uncategorized

Segredos de um projeto de iluminação   Leave a comment

Um bom projeto luminotécnico deve levar em conta basicamente duas coisas: o uso do espaço e tudo o que queremos valorizar nele.

---------

Num living, por exemplo, uma iluminação equilibrada deve mesclar uma luz geral e difusa para a execução de tarefas – como a do lustre sobre a mesa de jantar – com outras mais focadas – na mesa de centro, numa escultura ou num quadro na parede. Isso significa pelo menos três circuitos independentes (na sala da foto, de 58 m², o arquiteto usou oito circuitos). Os novos sistemas de automação e dimerização permitem fazer combinações entre os circuitos, graduar a intensidade das lâmpadas e, assim, criar uma variedade de cenas para diferentes usos. São tantos os recursos tecnológicos a nossa disposição que é necessário a ajuda de um especialista. A boa notícia é que a maioria das lojas do ramo conta com arquitetos e light designers preparados para orientar o cliente.

Cenas personalizadas
As paredes que separavam estar e jantar desta sala vieram abaixo e o projeto de iluminação ajudou a integrar os ambientes. O arquiteto Marcelo Rosset criou cenas com atmosferas distintas e usou um sistema de automatização da Scenario.

-
Veja o projeto de iluminação

Cenas diferentes com um simples toque
Moradora de um loft em São Paulo, a arquiteta Consuelo Jorge ressalta a praticidade que a automação do sistema de iluminação oferece. “Da cabeceira da minha cama, desligo a luz de toda a casa”, afirma. Mas do que ela gosta mesmo é a versatilidade do equipamento ao criar climas de acordo com seu humor e sua necessidade. “Uma das minhas cenas preferidas, que eu chamo de ‘jantar à luz de velas’, acende as luminárias do jardim e poucas luzes na sala”, explica. Sem dúvida, a maior vantagem desse tipo de automação é oferecer comodidade ao usuário, que pode mudar o clima do ambiente com apenas um toque. “Ao pressionar o botão do teclado ou controle remoto, ele estará acionando, de uma só vez, conjuntos de lâmpadas que correspondem a circuitos específicos”, explica João Jorge Gomes, da Scenario, empresa especializada no assunto. Segundo o light designer Rodrigo Jardim, da Synapse, a automação é uma grande aliada na criação de um projeto em conformidade com a personalidade do morador. “É como se fôssemos diretores de cena de um teatro”, explica. Outra vantagem do controle automatizado é que ele regula a intensidade de luz das lâmpadas (dimerização) e assim economiza energia. A desvantagem fica por conta do elevado custo do equipamento. “Além disso, a automação não é muito útil em apartamentos pequenos, com poucos circuitos”, explica o arquiteto Gilberto Franco. Nesse caso, ele recomenda o dimmer simples como um recurso para multiplicar os efeitos de luz nos ambientes.

-
Painel de automação

Dicas para economizar energia
Dispositivo que permite controlar a intensidade de luz, o dimmer reduz o consumo de energia e, de quebra, aumenta a durabilidade da lâmpada. “Os modelos eletrônicos permitem uma economia ainda maior”, explica Cláudia Garcia, da Delmak, empresa que comercializa a marca americana Lutron (especializada em automação e dimerização). A escolha de lâmpadas também influenciao consumo. As fluorescentes consomem, em média, 80% menos que as incandescentes. “Por isso, devem ser empregadas em ambientes onde a luz fica acesa mais de quatro horas por dia, como áreas de serviço”, explica Marc Vam Riel, da La Lampe. Para Marc, em áreas sociais, como salas de estar, usadas por poucas horas durante a semana, as lâmpadas fluorescentes podem ser evitadas. “Sua reprodução de cores é inferior à das halógenas e incandescentes”, acrescenta. Encontrado apenas nas fluorescentes compactas, o selo Procel Inmetro, colado no cartucho da lâmpada, reconhece que o produto é econômico e tem um padrão de eficiência aprovado pela Cepel (Centro de Pesquisas de Energia Elétrica).

-
Dimmer

De olho nas lâmpadas
As prateleiras das lojas expõem uma variedade incrível de modelos. Todos eles, porém, pertencem a uma das três famílias: incandescentes (as mais comuns), fluorescentes (as mais econômicas) e halógenas (as mais sofisticadas).

-
Fluorescente
-
Incandescente
-
Dicróica
-
Halógena
-
Halógena palito
-
Halógena AR
-
Halógena PAR

Efeitos especiais
Alguns efeitos básicos combinados garantem uma boa iluminação e trazem
conforto sem que o morador se dê conta. “O melhor projeto de iluminação é
aquele em que nem parece existir um projeto”, diz Ricardo Heder, da Reka.

-
Luz para cima (uplight)
-
Luz para baixo (downlight)
-
Luz nas paredes (wallwash)

Posted Setembro 6, 2011 by Fábio R. de Matos in Uncategorized

Modelo de luminarias   Leave a comment

 Aljuna

Toucan

(2)

Tera

Alhama

Alhama

Alhama

Nilo

Orinoco

Orinoco
Cantalupi

Lapo

(2)

Ivana

(2)

Oslo

(3)

Mosca

(4)

Galaxy

Galaxy

Galaxy

Lecce

(2)

Carpi

(2)

Leo

(2)

Storm

(4)

Smart

(4)

Leda

(9)
CHF-Lichttechnik

Emotion

Flair

(2)

Mirror

Mirror

(2)

Mirror

(2)

Mirror

(2)

Mirror

(2)

Tubular
De Majo

2400

(4)

2400

2400

(5)

2599

(5)

2599

(5)

7081

(2)

7083

(2)

7096

(6)

7099

8000

(5)

8000

(5)

8001

(2)

9001

Bell

Bell

Blade

Blade

Bugia

Carre

(2)

Charlotte

Charlotte

Cherie

Cherie

Ciocca

(8)

Codice

Eloro

(6)

Eloro

(2)

Gemma

Ishi

(9)

Olmpia

Omega

Otto

Otto

(2)

Perlage

Perlage

Play

(2)

Portofino

(2)

Portofino

Tau

Zip

Quadra

(5)

Quadra

(7)

Riga

(8)

Righette

(3)
Drees

574

(5)

574

(3)

574

(3)

503

(2)

572

(3)

525

525

525

502

502

574

574

(7)

574

(13)
Egoluce

Frida

(6)

Frida

(6)

Cetra

(2)

Minipin

Disco

(4)

Flip

(4)

Flip

(8)

Rondo

Rondo

(2)

Ringo

(6)

Tondapin

Quadrapin

Tratto

(4)

Tratto

(4)

Echo

(4)

Fusion

(4)

Magnum

(6)

Magnum

(3)

Slash

(2)

Dedika

(2)

Musa

(3)

Helios

(7)

Trendy

(9)

Slash

(2)

Frida

(4)

Ray

Ray

Quinta

(4)

Pop

(2)

Rap

(3)

Rap

(3)

Rap

(3)

Pathos

(2)

Akuta

(3)

Fokus

(2)

Fokus

(2)

Alea

(3)

Alea

(2)

Desk

(2)

Arianna

(3)

Brigitte

(2)

Torcia

Trace

(2)

Llum

Fuso

(4)

Maya

(3)

Wally

Tekna

(2)

Punto

Miro

(18)

Olimpia

(3)

Olimpia

(3)

Read

(3)

Sail

(4)

Sail

(2)

Twist

Monet

(2)

Nokipin

(3)

Ikon

(4)

Ikon

(4)

Ikon

(3)

Linx

(2)

Zelig

(2)

Teda

(4)

Kirk

Morning

(5)

Yoda

Twin

Twin

Therma

(5)

Ekus

Stylo

Pop Fluo

(2)

Siba

(4)

Miro

(18)
Ineslam

Cris

(4)

Wall 29

(11)

Centauro

(3)

Palace

(3)

Ofelia

(3)

Star

(6)

Linea

(6)

Baco

(6)

Mos

(5)

Everest

(4)

Capri

(5)

Aneto

(2)

Beret

(10)

Ponent

(10)

Mestral

(3)

Maya

(3)

Greco

(5)

Indo

Indo

(5)

Cop cristal/ glass

Stone

Crown

Tronic

Titan

Alp

(2)

Horus

(2)

Rado

(2)

Tessa

(3)

Edfu

(6)

Rever

(4)

Cris

(12)

Cris

(4)

Delta

(6)

Bis

(4)

Oxid

(4)

Ferro

(6)

Zinc

(6)

Comodin

(12)

Hermes

(3)

Ares

(3)

Argos

Ra

(6)

Ines

(6)

Traver

(2)

Perla

(6)

Marfil

(12)

Marfil

(6)

Roca

(6)

Itaca

(6)

Bali

(3)

A-5145

(2)

A-5149

(3)

Aida

(3)

Wall 39

(26)

Alfa

(5)

Apolo

(3)

Gamma

(3)

Beta

(3)

Creta

(3)

Wall 166

(15)

Atenea

(3)

Orion

(3)

Sparta

(3)

Wall 176

(3)

Wall 180

(3)

Wall 182

(6)

Wall 184

(3)

Mars

(9)

Dora

Teo

Cadi

(3)

Centauro

(4)

Genesis

Genesis

Nerva

(9)

Vera

(6)

Cronos

(6)

Iceberg

(6)

Palace

(6)

Darma

(6)

Jazz

(3)

Diavolo

Vesubio

(3)

Rex

(6)

Vip

Totem

(7)

Lena

Tropic

(6)

Lili

(2)

Master

(7)

Mia

Star

(9)

Don

(3)

Ego

(3)

Ninfa

(9)

Linea

(6)

Corinto

(6)

Flama

(2)

Glass

(2)

Diva

(2)

Epsilon

(2)

Perseus

(2)

Odin

(6)

Tandem

(2)

Sumba

(2)

BOK.69

BOK.69

BOK.69

B-STAR

B-STAR

BOK36

BOK36

PH4W

PH4W
Mareco Luce

Antares

(2)

Antares

(2)

York

(3)
Martini

Sothis 49

Sothis 29

Sothis 29

Sothis 29

Sothis 29

Sothis 29

(4)

Sothis 27

Sothis 27

(2)

Sothis 27

Sothis 27

(2)

Squadra

(2)
Robers

Chandelier

Chandelier

Antique

Bell

Leaf

(2)

Torch

Antique

Classic

(2)

Bell

(2)

Bell

(2)

Medieval

(2)

Candle

Candle

Candle

Glass

(2)

Chandelier

Antique

Chandelier

Glass

(4)

Tulip

Panel

(5)

Square

Classic

Old

Old

Round
Rogu

Polaris

(2)

Perseo

(2)

Vega

Eridani

(2)

Plafon

(2)

Plafon

(2)

Plafon

(2)

Yuno

(3)

Yuno

(3)

City

(6)

City

(6)

City

(6)

Coliseo

(3)

Polux

(2)

Ninfa

(3)

Diabolo

Diabolo

Diabolo

Dunas

Dunas

Manila

(2)

Manila

(2)

Gea

(2)

Gea

(2)

Izar

Wanda

Wanda

Icaro

Icaro

Icaro

Teo

Teo

Ponic

(4)

Xon

Square

Square

Square

Square

Square

Square

Square

Square

Karma

Cinema

Cinema

Cinema

Coral

(4)

Bolid

(2)

Verso

(2)

Nodus

Ceres

(2)

Arietis

Hadar

Albali

Alcor

Dorian

Alma

(2)

Alma

Alma

Karel

Karel

Dylan

Dylan

Cubico

Disc

Perseo

Ada

(2)

Ada

(2)

Ciber

Ciber

Geko

Geko

Trajano

(8)

Shiva

(2)

Nath

(2)

Nath

(2)

Nath

(2)

Nath

(2)

Esparta

(3)

Siena

(6)

Siena

(6)

Siena

(6)

Siena

(6)

Varsovia

(6)

Varsovia

(6)

Praga

(6)

Mantis

(2)

Mantis

(2)

Brazo

(3)

Matisse

Matisse

Boeing

Greco

(9)

Greco

(9)

Klimt

(2)

Klimt

(2)

Braque

(2)

Braque

(2)

Van Gogh

(2)

Van Gogh

(2)

Zion

(4)

Zion

(5)

Zion

(5)

Errante

(4)

Errante

(4)

Errante

(4)

Errante

(4)

Esparta

(3)

Esparta

(3)

Esparta

(3)

Esparta

(3)

Esparta

(3)

Ipanema

(3)

Ipanema

(3)

Ipanema

(3)

Ipanema

(3)

Ipanema

(3)

Teseo

Teseo

(2)

Teseo

(2)

Teseo

(2)

Angelo

(3)

Angelo

(3)

Angelo

(3)

Angelo

(3)

Drop

Drop

Drop

Jupiter

Jupiter

Jupiter

T-Plane

T-Cube

(2)

T-Cube

T-Cube

T-Cube

Eras

Ra

Pyramid

Pyramid

Pyramid

Pyramid

Pyramid

Pyramid

Pyramid

Siena

Siena

(6)

Trajano

(6)

Trajano

(4)

Ninfa

(3)

Ninfa

(3)

Ninfa

(3)

Ninfa

(3)
Sec

Ovalux

(2)

Ever

(4)

Wega C

(30)

Wega E

(31)

Wega D

(28)

Modulux

Modulux

Modulux

(2)

Modulux

Modulux

(4)

Modulux

Home

(2)

Thinlux

(2)

Moduled

Moduled

Moduled

Wega D

(8)

Wega F

(26)

Wega F

(8)

Wega I

(4)

Wega

(2)

Wega

(2)

Solid

(2)

Spectra

Spectra

Spectra

Modulux

(3)

Modulux

(3)

Avantis

(5)
Surya

PRIONE

(4)

PRIONE

(8)
Valenti

Flap

(4)

Pistillo

(2)

Pistillo

(2)

Lens

(3)

Promenade

(2)

Egg

(2)

Posted Setembro 6, 2011 by Fábio R. de Matos in Uncategorized

Modelo de luminarias   Leave a comment

 EPSTEIN
CANTALUPI
FERSA
EGOLUCE
ELEKTROSVIT
MCHZ Pumping Station Ostrava, CR
Metrostav Assembly Room Slovakia
Gas Processing Plant Sosnogorsk, Russia
Gas Processing Plant Sosnogorsk, Russia
Lubricating Oil Concern Egypt
Dubnany Street Lighting Czech Republic
Konstantin spa – Park Lighting Czech Republic
EMFA
INESLAM
MARECO LUCE
SEC
Alulux
Avantis
Avantis BPND
Baset
Cubelux
Evolux
Evolux
Forcelux
Framelux
Ledlux
Levelux
Modulux
Modulux
Perun
Powerlux
Profilux
Safelux
Wega B
Wega B
Wega C
Wega C
Wega C
Wega C
Wega D
Wega Frame
Wega I Module
Wega I Module
Wega Module
SITECO
SURYA ILLUMINAZIONE
17610 E4
MINILED F
63120 A1
66013 F4
19390 F1
12210 L1
11039 A1 + P6300 A
3P172 F4
3P770 F4
S4T070 H4/S5T070 H4/2T070 H4
A3027 H4 + P3071 H
A3027 H4 + P3071 H
31143 B4 + P1210 B
31023 B4 + P0120 B
21140 F4 + P3220 F
31530 L4 + P0100 L
31130 F2 + P70120 F
31030 F4 + P0130 F
210301 L4+ P30097 L
21210 F4
50610 E4
51610 L4
50610 L4
51610 F4
55113 F4
50110 F4
50530 L4 + P0210 L
50530 L4 + P1220 L
90540 L4 + P71270 L
51530 F4 + P0220 F
532P3 F1 + P1220 F
55030 F4 + P1230 F
910351 L4 + P71397 L
90033 F4 + P1220 F
90140 F4 + P1220 F
40213 F/40310 F
40213 F/40310 F
41214 F4
41213 F4
40034 F + P6300 F
41023 F4 + P1220 F
44214 F4
46212 F4
CHRIS
Y4030 B2/Y4150 B2
THEA
SOHER

Posted Setembro 6, 2011 by Fábio R. de Matos in Uncategorized

Lâmpada dicróica   Leave a comment

Pmm204ba2Para um bom projeto de iluminação é necessário uma dicróica “especial”, pois além das virtudes da standard, como desvio de 2/3 do calor para trás do refletor, tem sua principal característica o refletor de espelho tratado com titânio, tornando-o mais resistente.

Exemplo:
Quando se instala numa vitrine 30 lâmpadas dicróicas normais (standard), algum tempo depois não teremos nenhuma com a cor original, por esse problema da deterioração do espelho.

No mesmo sistema, colocand-se 30 dicróicas especiais, elas manter-se-ão com a mesma tonalidade de cor até o fim de sua vida útil, que ao contrário das ciróicas normais que é de 2000 horas, chega até 4000 horas. Costumamos dizer que esta dicróica é a dicróica dos profissionais.

Posted Setembro 6, 2011 by Fábio R. de Matos in Uncategorized